Compartilhe

Sete carreiras do Direito além da advocacia

Equipe IDP Por: Equipe IDP 9 minutos
Compartilhe

Existem bacharéis em Direito que não querem ser advogados, apesar de a advocacia ser uma das áreas mais recorrentes entre os profissionais da área. Se você não se identifica com profissão advogado, calma! Existem inúmeras outras carreiras do Direito que você poder seguir.

A área do direito é ampla e a trajetória profissional de um jurista não está limitada à atuação na advocacia. Os formados que optarem por não advogar podem escolher seguir outras carreiras do Direito dentre uma série de opções.

Como escolher entre carreiras do Direito fora da advocacia?

Durante os cinco anos de graduação, o estudante é exposto a diversas ramificações do direito. É durante este percurso que muitos percebem qual sua área de afinidade, ou seja, aquela que desperta seu maior interesse.

Na hora de decidir qual rumo seguir na carreira do direito depois da faculdade esta sensação de pertencimento será fundamental. Formado, o bacharel poderá atuar em diferentes áreas além da advocacia.

Para conseguir se consolidar em qualquer uma delas será necessário muito estudo e capacitação. Preparamos este post para você conhecer as possibilidades que o Direito oferece além da advocacia. Vamos lá?

1- Acadêmica

Que tal ser professor na área do Direito? Lecionar em instituições públicas ou privadas é o foco de muitos graduados em Direito. Entre as inúmeras disciplinas que podem ser ministradas no ensino superior estão as de Direito Penal, Civil, Constitucional, Ambiental, Administrativo, Tributário, entre outros.

Requisitos

Para se tornar um professor de Direito e ingressar na carreira acadêmica, o bacharel precisa seguir os estudos por meio do mestrado e doutorado, cursando até mesmo o pós-doutorado.

2- Magistratura

Magistratura é a carreira de Estado que tem a atribuição constitucional de administrar justiça no exercício do Poder Judiciário. O magistrado é um funcionário público instituído para solucionar conflitos de interesse.

Esta é uma das carreiras mais almejadas pelos bacharéis em Direito, seja pelo prestígio social ou pelas atraentes remunerações. Após aprovação em concurso, o magistrado da esfera estadual inicia a carreira como juiz substituto e seu cargo só se torna vitalício depois de cerca de dois anos de atividade.

Neste outro artigo do nosso blog, você pode conferir detalhes sobre a carreira de juiz de Direito.

Requisitos

Primeiramente, para ingressar na magistratura é preciso obter aprovação em concurso público. Em seguida, terá a nomeação para o cargo.

Além disso, o profissional precisa ser bacharel em Direito, comprovar 3 anos de atividade jurídica após a graduação, ser aprovado na avaliação de títulos e em etapas de investigações relativas ao aspecto moral e social, bem como exames de sanidade física e mental.

3- Desembargador

Os desembargadores são os juízes de 2ª instância do Poder Judiciário. Quando um caso conta com uma das partes não satisfeitas após o primeiro julgamento, o desembargador entra em cena. Eles julgam novamente o caso e têm o poder de acatar ou alterar as decisões proferidas pelo juiz anterior.

Requisitos

Para se tornar um desembargador é preciso ser indicado por nomeação ou receber o título por merecimento. Assim como as outras carreiras jurídicas, é preciso ter formação em Direito.

A nomeação para esta área não demanda a realização de um concurso público. Normalmente, para ser intitulado desembargador, o jurista costuma ter carreira como advogado ou no Ministério Público – este sim conquistado por meio de concurso.

4- Delegado de polícia

Caso procure uma rotina repleta de dinamismo, a carreira de Delegado de Polícia Civil e Federal pode ser para você. Entre as funções estão administrar delegacias, planejar, controlar e coordenar as atividades policiais, realizar investigações, prisões, cumprimento de ordens, colher depoimentos, fazer interrogatórios e instaurar inquéritos.

Requisitos

Para ser Delegado de Polícia Civil ou Federal é preciso ter nível superior em Direito e ser aprovado em concurso público. A exigência sobre ter experiência na prática jurídica fica a critério de cada estado.

Após a aprovação, o candidato a Delegado de Polícia passa por outras etapas de avaliação, tais como exame de aptidão física, avaliação médica, prova oral, avaliação de títulos, investigação social e curso de formação. Não é obrigatório o registro na OAB para se tornar Delegado.

5- Promotoria

O promotor de justiça é membro do Ministério Público e em um processo atua em prol dos interesses da sociedade e do Estado, acusando ou defendendo questões em diversas áreas, como: defesa do patrimônio público, crimes contra o Estado, meio ambiente, entre outros.

Requisitos

Para se tornar um promotor é preciso conquistar aprovação em concurso público. Milhares de candidatos costumam se inscrever nas provas voltadas à carreira, em busca do prestígio e da estabilidade oferecida pelo cargo.

Além das provas, objetiva na primeira fase, discursiva e escrita na segunda, os candidatos à promotoria devem passar por ainda por prova oral, investigação social, exames para atestar a sua sanidade física e mental e análise de títulos.

6- Procuradoria

O procurador é responsável por representar órgãos e instituições públicas. As funções variam muito de acordo com o órgão representado, mas geralmente incluem consultorias jurídicas, representações judiciais, atuações em processos e etc.

Um procurador pode atuar em diferentes órgãos e em diferentes esferas como Municipal, Estadual e Federal ou até no Ministério Público Federal, Ministério Público do Trabalho ou no Tribunal de Contas da União.

Requisitos

O ingresso na carreira de promotor se dá por meio de concurso público. Ademais, as exigências da prova e do processo seletivo podem variar de acordo com cada estado. Por exemplo, alguns concursos podem exigir experiência em atividades do setor jurídico, outras não.

Depois da prova objetiva, o candidato encara outras etapas de seleção. Entre elas a avaliação de títulos que, em regra, tem caráter classificatório.

7- Defensoria Pública

Podendo atuar no âmbito estadual ou federal, o defensor público cumpre um papel fundamental na sociedade. É ele quem defende as pessoas que não têm condições financeiras de arcar com os custos de um advogado particular.

Requisitos

Para ingressar na carreira de defensor público é necessário aprovação em concurso público. A vaga é destinada a bacharéis em Direito que tenham registro da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e possuam experiência jurídica (o tempo varia a cada edital, mas geralmente é de três anos).

Além de ser aprovado em todas as fases previstas no edital do certame, como as provas discursivas e orais, o candidato a promotor deve estar com as obrigações eleitorais em dia. Ademais, não pode ter antecedentes criminais.

Como planejar sua trajetória entre as carreiras do Direito?

É preciso muita disciplina e estudo para seguir qualquer carreira jurídica. Saiba que a preparação para sua carreira começa muito antes que imagina: ainda na faculdade de Direito.

Caso não queira seguir a carreira de advogado, durante a graduação, procure se inscrever nos cursos de extensão da instituição e busque afunilar suas áreas de afinidade no Direito.

Como o ingresso na maior parte das áreas mencionadas acima se dá por meio de concurso público, inegavelmente, manter uma rotina de estudo é imprescindível caso o objetivo seja uma das carreiras anteriormente explanadas. Dar continuidade à carreira acadêmica é uma opção que pode ser seu grande diferencial nessa trajetória.

Como a pós stricto sensu pode refletir nas carreiras do Direito?

Apostar em uma pós-graduação stricto sensu pode ser seu grande diferencial, independente da opção de carreira jurídica que escolher seguir. Não pare seu currículo na graduação!

Seja para lecionar aulas em instituições de Direito ou seguir rumo a um cargo público que exige aprovação por meio de concurso público, você pode garantir uma posição de destaque por meio da especialização stricto sensu.

O que é a pós stricto sensu?

O primeiro passo é entender a diferença entre a pós-graduação lato sensu e stricto sensu.

As pós-graduações lato sensu compreendem programas de especialização e incluem os cursos designados como MBA (Master Business Administration). Ao final do curso o aluno obtém certificado e não diploma.

Já as pós-graduações stricto sensu se referem a programas de mestrado e doutorado abertos a candidatos diplomados em cursos superiores de graduação e que atendam às exigências das instituições de ensino e ao edital de seleção dos alunos. Ao final do curso o aluno obterá o diploma.

A seguir, vamos mostrar duas vantagens que uma pós stricto sensu pode trazer para sua carreira jurídica.

1- Reconhecimento profissional e acadêmico

Um dos objetivos da pós stricto sensu é aprofundar o conhecimento em determinada área, o que confere ao aluno um diferencial importante em sua carreira, seja ela acadêmica ou profissional.

O profissional que possui uma especialização deste nível alcança prestígio no mercado de trabalho e consegue alcançar melhores cargos, além de ampliar seu networking e o reconhecimento.

2- Preparação para o concurso

Manter uma rotina de estudos voltada a um concurso público não é fácil. Cursar um mestrado ou doutorado pode unir o útil ao agradável. Além de capacitar o bacharel e atualizar seu status acadêmico, a pós stricto sensu é uma grande aliada na preparação para o certame.

Aproveite o momento de especialização para se dedicar a temas que estão em destaque no edital que almeja. A troca entre alunos e professores é outro fator considerável nesta fase e pode render muito conhecimento durante sua preparação para um certame.

3- Avaliação de títulos

Se seu foco é em cargos públicos, vimos que nos concursos uma das etapas classificatórias é a chamada avaliação de títulos. Esta fase consiste em uma análise da trajetória do candidato no Direito.

Nesta parte da seleção, geralmente uma das últimas do processo seletivo, o candidato deve entregar diplomas e certificados que possam comprovar sua formação.

A especialização rende pontos que após contabilizados são somados à pontuação previamente obtida no certame. Sua pós stricto sensu fará toda a diferença!

E você, bacharel, já decidiu entre quais carreiras do Direito pretende seguir? Gostou das nossas dicas? Continue acompanhando o nosso blog e as nossas redes sociais para ficar sempre por dentro dos principais conteúdos jurídicos!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *