Compartilhe

Como construir um plano de estudos para mestrado ou doutorado em Direito?

6 minutos
Compartilhe

Diversos profissionais do Direito estão investindo cada vez mais em uma pós-graduação para alavancar a carreira. Contudo, antes de dar o pontapé inicial, é preciso saber da importância e como criar um plano de estudos, especialmente no caso do mestrado e doutorado em Direito.

Ao contrário do que se pode pensar, a pós-graduação stricto sensu, que é o caso do mestrado e doutorado, não é apenas para quem quer seguir na área acadêmica. São programas que também conferem grande destaque e peso ao currículo profissional.

Nesse sentido, podemos mencionar, por exemplo, o Mestrado Profissional. No IDP, este curso é estruturado com foco na relação entre teoria e prática, contribuindo diretamente na carreira do profissional.

Se você pretende ingressar em um programa stricto sensu, saiba que será necessário muita disciplina e foco para construir um plano de estudos para seu mestrado ou doutorado em Direito

Para te ajudar nessa etapa, preparamos este artigo! Siga a leitura.

O que é um plano de estudos?

O plano de estudos é basicamente um cronograma bem definido para as atividades do programa de aprendizado. Desse modo, o cronograma surge com a finalidade de organizar a rotina do estudante.

No corpo do plano de estudo constam informações importantes relacionadas às atividades acadêmicas do aluno. Entre elas, estão os temas que serão estudados durante o curso, assim como o tempo que será investido e a profundidade dos assuntos, além do método utilizado.

Vantagens de ter um plano de estudos

Agora que você sabe o que é este cronograma, entenda a importância de construir um plano de estudos para seu mestrado ou doutorado em Direito.

Primeiramente, os profissionais que investem em um plano de estudo conseguem conciliar melhor as atividades acadêmicas com as profissionais. 

Além disso, o plano de estudos ajuda o aluno a ter mais motivação, capacidade de concentração, produtividade e confiança, e, sobretudo, a ter uma melhor gestão de seu tempo. 

Portanto, se você pretende estudar com maior eficiência, não deixe de elaborar seu plano de estudos.

Como montar um plano de estudos para mestrado ou doutorado em Direito?

Quando você começa uma pós-graduação, especificamente o mestrado ou doutorado em Direito, é preciso estar ciente de que terá que se dedicar (e muito) aos estudos. 

Geralmente, os profissionais da pós-graduação stricto sensu têm vidas profissionais movimentadas e atividades bem definidas. Por isso, para que tenham sucesso no curso, será necessário organizar ao máximo a rotina de estudos.

Em seguida, veja o passo a passo de como montar o plano de estudo para seu mestrado ou doutorado em Direito.

1- Defina os temas

Logo no início, você terá acesso à grade de disciplinas ministradas ao longo do curso. Para construir o seu plano, comece apurando as matérias que serão objeto de estudo.

No seu plano de estudo, os temas deverão estar bem delimitados e definidos, conforme os conteúdos da grade de seu curso. Dessa maneira, você não se perderá na rotina e não confundirá os conteúdos. 

2- Atenção às datas

No segundo passo do plano de estudos, deixe bem claro as datas importantes para o seu curso, especialmente no plano de estudo do mestrado ou doutorado em Direito.

Sobretudo, intensifique a rotina de aprendizado quando houver algum evento específico, como a realização das provas. Não adie seu compromisso com os estudos!

3- Determine os dias e horários

O terceiro passo é sobre os dias e horários que devem ser voltados exclusivamente aos estudos durante o curso.

Por mais que você estude durante as aulas, é preciso ir além disso. No seu plano de estudos, indique quais dias você poderá reservar para os estudos. Em uma coluna defina o horário de início das atividades e em outra estipule o término.

Conciliar a rotina de estudos com uma vida profissional ativa no Direito não é nada fácil, mas é possível!  Por isso, determinar os dias e horários que serão plenamente dedicados aos estudos é uma das etapas mais importantes do cronograma.

4- Escolha um método

Você sabia que existem diferentes métodos de estudo? O ideal é escolher um que melhor te atenda. Registre no seu plano de estudos o método que será utilizado em sua rotina.

Entre alguns dos mais conhecidos, está o método pomodoro. Com a finalidade de aumentar o foco do estudante, esta técnica sugere pausas de cinco a sete minutos após o aluno estudar por 30 ou 45 minutos diretos.

O estudo intercalado, outro método, consiste em distribuir a matéria de forma rotativa. O objetivo é tornar a prática mais dinâmica, por meio de análises de temas completamente diferentes um do outro.

Na hora de definir o método que seguirá, valorize as pausas durante o estudo. Nesse sentido, vários trabalhos científicos apontam a necessidade das pausas entre os ciclos de estudo. 

Esses pequenos intervalos descansam o cérebro e aumentam sua eficácia, evitando o desgaste mental.

Cinco erros comuns na execução do plano de estudos

A esta altura do artigo, você percebeu a importância de ter um plano de estudo para seu mestrado ou doutorado em Direito.

Entretanto, vale a pena ficar atento aos erros mais frequentes na hora de pôr em prática o seu cronograma de estudos. Em seguida, veja cinco pontos que merecem atenção!

1- Falta de compromisso

Se você estipulou os dias e as datas de estudo, não deixe de cumpri-las. Faça do seu cronograma um compromisso inadiável. Claro que existem exceções, contudo, evite burlar os dias pré-definidos para o estudo fora de sala de aula.

2- Ambiente inapropriado

Outro erro recorrente na execução do plano de estudo é não escolher um ambiente apropriado na hora de pôr em prática o que foi planejado. 

Separe um lugar silencioso, arejado e organizado para que consiga focar em suas atividades de estudo de forma plena. Evite lugares com muita movimentação ou ruídos para não perder a concentração.

3- Excesso de expectativa

Seja realista no seu plano de estudo! Não crie expectativas irreais. Estipule uma quantidade de temas e tempo razoável para que consiga absorver o conteúdo de forma saudável e de maneira factível. 

Na hora de escolher a instituição, avalie os formatos dos programas

No IDP, por exemplo, o mestrado e doutorado em Direito permitem conciliar um plano de estudos realista com a carreira profissional. 

No mestrado, por exemplo, o curso regular é desenvolvido em 24 meses, com oferta bimestral de disciplinas. As matérias são oferecidas quinzenalmente, às sextas e aos sábados, de forma a permitir que os interessados conciliem sua participação no programa com o exercício profissional. 

4- Uso indevido do celular

Quantas vezes você checa seu celular em um dia? Só para exemplificar, podemos mencionar inúmeros aplicativos que enviam notificações a todo instante, como os mensageiros Telegram e Whatsapp.

O celular pode ser um grande vilão durante a execução do plano de estudo para seu mestrado ou doutorado em Direito. Se possível, desligue o aparelho durante o cumprimento do seu horário de estudo. Se não puder fazer isso, ao menos deixe-o no modo silencioso.

5- Ausência de autocuidado

Muito além do ambiente externo e de todas as regrinhas que norteiam um plano de estudo, a qualidade do seu aprendizado também depende da sua saúde. Sim! Sem dúvida, para ter um bom rendimento, você precisa ter disposição física e mental.

Para que isso aconteça, cuide de sua saúde física e mental. Dormir bem, praticar atividades físicas e manter uma alimentação balanceada refletirá em seu desempenho.

Gostou do conteúdo? Agora você está preparado para montar o seu plano de estudos! Continue acompanhando nosso Blog de Direito para ficar por dentro das novidades do meio jurídico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.